Índice
 Caracterização
História
Postas&Pescada
Gastronomia
Cantinho do leitor
 Notícias

 Subscreva a newsletter 
 Acesso ao alvegamail 
 info@alvega.info  
   
     
   Caracterização
  «Formoso Tejo meu... »

O Tejo, cantado por poetas e prosadores, rio aparentemente caudaloso e de difícil passagem, traiçoeiro pelas enchentes súbitas, foi durante séculos a mais importante estrada de ligação de Lisboa a Abrantes. Por incrível que pareça, este rio tinha vaus conhecidos por onde era possível a travessia pelo menos em certas épocas do ano, os quais foram utilizados para a passagem dos exércitos em épocas de guerra.

Junto dos vaus começaram a por existir barcas de travessia e mais tarde construíram-se portos. Estes existiam, por exemplo, junto às barcas do Pinheiro, da Chamusca e da Barquinha e também havia um a oeste da Quinta da Cardiga. Nesses vaus de fundo arenoso a água não ultrapassava, no Verão, os 75 cm de profundidade.

Muitas das barcas mantiveram-se até à actualidade, mas os portos foram perdendo importância.

Os portos fluviais de Tancos, Barquinha, Abrantes e Constância chegaram a ser movimentados entrepostos comerciais, cada um mais ou menos especializado em produtos próprios. O de Constância é muito antigo, pois já há notícias dele no tempo de D. Pedro I. O que mais renome chegou a atingir foi o da vila de Tancos, cujo cais, também muito antigo, foi mandado construir por D. Manuel I em boa cantaria. Era o ponto de ligação do Alentejo com as províncias do Norte e Lisboa. Devido a causas várias, os outros portos foram adquirindo supremacia. Abrantes chamou a si o negócio de trigos do Alentejo e a Barquinha absorveu quase por completo o comércio de madeiras, sal e azeite.

Perfeitamente navegável até Abrantes, o rio começava a apresentar dificuldades daí para cima, se bem que em determinadas épocas do ano se pudesse chegar com segurança até Vila Velha de Ródão.

Supõe-se, porém, que as subidas e descidas do Tejo não eram assim tão difíceis, porque de 1580 a 1592, por iniciativa de Filipe II, se tornaram frequentes as viagens pelo Tejo até Toledo. Talvez os riscos se tornassem demasiado dispendiosos, e o facto de essas viagens não se poderem realizar durante todo o ano deve ter contribuído para que se abandonassem as tentativas de transformar o Tejo na estrada central da Península Ibérica.

in Á Descoberta de Portugal, Selecções do Reader's Digest  —  2003-06-12 Topo da página
Pôr-do-sol no rio Tejo

Outrora fonte de subsistência, hoje a pesca do rio é praticamente apenas desportiva

Barco de pesca tradicional

Todos os artigos de Caracterização
Imprimir artigo
Recomendar artigo

 

 
 
Contactos úteis  
Imagens da região  
Roteiro turístico 
Dossiers da Região 
Curiosidades 
Meteorologia 

O TEMPO
Estado do tempo na região de Alvega
20°
Muito nublado
 

© 2002, 2017 - alvega.info

O projecto alvega.info

Access denied for user 'abrantes'@'%' to database 'alvega'