Índice
 Caracterização
História
Postas&Pescada
Gastronomia
Cantinho do leitor
 Notícias

 Subscreva a newsletter 
 Acesso ao alvegamail 
 info@alvega.info  
   
     
    Dossiers

A Casa dos Séniores Alveguenses

O Centro de Dia de Alvega é uma importante instituição numa freguesia em que a evolução populacional tende para o envelhecimento, e onde escasseiam infraestrururas de apoio. Assim, resolvemos olhá-lo mais de perto e conhecer as pessoas por detrás da instituição.

O Centro de Dia de Alvega ( Centro de Assistência Paroquial S. Pedro de Alvega) teve início como Casa de Trabalho, na década de 1940, e presta hoje apoio a cerca de 70 idosos, 37 dos quais através do Centro de Dia e os restantes 33 no regime de apoio domiciliário.

Está, desde Junho de 1998, a funcionar nas novas instalações, construídas de raíz para este fim, num local onde antes se encontrava o ringue de Alvega.

É uma importante instituição nesta freguesia em que a evolução populacional tende para o envelhecimento, e em que as infraestruturas de apoio social são mínimas, por isso, resolvemos olhá-lo mais de perto.

No Centro de Dia, presta-se apoio e acompanhamento diurno aos idosos, fornecendo-lhes a alimentação, o tratamento de roupas, cuidados de higiene e conforto, apoio e acompanhamento na saúde (que inclui o controle de medicamentos) e possibilitando-lhes ainda conviver com “jovens da sua idade”. Existe uma carrinha que transporta os idosos de manhã, para o Centro, e que à tardinha os leva de volta aos seus domicílios.

Mas, para quem pretenda permanecer na sua casa, o Centro presta ainda apoio domiciliário, deslocando-se lá os funcionários para prestar os cuidados que são prestados no Centro, e ainda efectuar pequenos trabalhos de limpeza e arrumação da casa e até, por exemplo, acompanhar as pessoas às compras.

Em tudo isto, acaba por estar implícita outra tarefa, deveras importante, que é a de fazer companhia a quem, não raras vezes, tem a solidão por companheira.

No entanto, um dos princípios basilares deste tipo de instituições é o de que a família não pode deixar de ser responsável pelos seus idosos, a instituição presta apoio nas mais variadas áreas, mas a família deve estar sempre presente.

A média de idades dos utentes ronda os 80 anos, tendo o utente mais novo 34 anos e a utente mais velha uns gloriosos 101 anos ( parabéns, D. Maria José!).

Se bem que alguns encaram o Centro de Dia como uma fatalidade, existe um número cada vez maior de pessoas que o encaram como uma instituição em que se passam momentos agradáveis, que lhes permite o descanso merecido depois de uma vida de trabalho, e até aventuras, actividades e viagens a que, de outra forma, nunca teriam acesso.

“Se as pessoas encarassem o Centro de Dia com a mesma naturalidade com que encaram a falta de vista e compram uns óculos, tudo seria diferente”, afirma a Dra. Adriana Gravilha, Técnica responsável pelo Centro. “Esta instituição poderá ser a “bengala” que eles adquirem para apoiar e caminhar com mais segurança”.

De facto, o Centro esforça-se por levar os seus utentes a participar nos mais variados eventos, promovendo intercâmbios com outras instituições.

Deslocaram-se ao programa “Olá Portugal”, da TVI, e comemoram todas as datas festivas anuais, como o aniversário de cada pessoa, o Carnaval, a Páscoa, os Santos Populares, a Sra. da Guia, as festas da Cidade, a Feira da Gastronomia de Alvega, o Dia Mundial do Idoso, e muitos outros.

Existe um “cantinho” especialmente dedicado à realização de trabalhos manuais, alguns dos quais são depois comercializados (bolsas, pegas, almofadas, saquinhos, toalhas).

Uma vez por semana, existem aulas de artes decorativas, para os utentes e para toda a comunidade, onde se aprende a pintar em gesso, em vidro, e onde se desenvolvem outros talentos.

Há a preocupação de manter activas as capacidades físicas e psíquicas de cada um, de fazer com que as pessoas se continuem a sentir úteis.

E quem assegura o funcionamento do Centro?
Na Direcção Técnica do Centro de Dia, encontra-se a Dr.ª Adriana Gravilha, Técnica Superior de Serviço Social.
A instituição conta ainda com uma equipa de catorze funcionários, oito dos quais efectivos, cinco funcionárias inseridas numa empresa de inserção, e um motorista. É, portanto, uma importante entidade empregadora na nossa terra.

No que concerne aos órgãos directivos, o presidente é sempre o pároco da freguesia, que pode, no entanto, delegar funções no seu vice-presidente.

Numa freguesia como Alvega, em que a população tem tendência para ser cada vez mais idosa, esta casa tem vindo a crescer e a adaptar-se às novas exigências que lhe são feitas. Em Março de 2003, o Centro passou a funcionar também ao Sábado, onze horas por dia durante os seis dias da semana. Pretende assim responder às necessidades dos seus utentes, idosos que muitas vezes não têm filhos por perto, porque aqueles trabalham e só regressam à noite, ou porque vivem longe e só os visitam de tempos a tempos.

Nalguns destes casos, o acompanhamento seria necessário 24 horas por dia. Surge a necessidade de que esta instituição deixe de ser (apenas) um Centro de Dia, e passe a disponibilizar acompanhamento permanente, com a possibilidade de servir os utentes em regime de “internato”.

Para isso, e manifestada a receptividade da Directora Técnica da instituição, há que contar com o apoio da Segurança Social, mas também, frisa a Dra. Adriana, com o apoio e o interesse de toda a Freguesia.

Nos dias que correm, a vida profissional é cada vez mais exigente, quer em termos de tempo, quer em termos de mobilidade geográfica.

Por outro lado, a estrutura familiar modificou-se e é já rara a figura da “dona de casa”, que assegurava, entre muitas outras coisas, os cuidados aos mais velhos; por sua vez, a esperança de vida aumentou, vivemos mais tempo, mas a precisar de cuidados inerentes à idade, nomeadamente no campo da saúde.

A acrescer a tudo isto, temos o facto de não existirem na região condições que permitam a fixação dos filhos desta terra, que partem para outras paragens em busca de emprego e de melhores condições de vida.

Urge, portanto, encarar o Centro de Assistência Paroquial S. Pedro de Alvega com a devida consideração.

É a ele que hoje confiamos os nossos avós, que amanhã poderemos vir a confiar os nossos pais, e o resto, o futuro o dirá.

Agradece-se a colaboração da directora técnica da instituição, Dr.ª Adriana Gravilha.

Fátima Castanho Topo da página


>
Como podemos nós apoiar e colaborar com o Centro de Dia de Alvega?
Como I.P.S.S. (Instituição Particular de Solidariedade Social) que é, o Centro debater-se-à com a necessidade de sobreviver com um magro orçamento.

A ajuda pode surgir de diversas formas:


  • oferecendo produtos hortícolas (frutas, legumes, etc.)*

  • fazendo donativos monetários*

  • tornando-se sócio desta instituição

  • oferecendo-se para colaborar em regime de voluntariado


* os donativos, monetários ou outros, como os produtos hortícolas, poderão ser considerados para efeitos de abate ao I.R.S.

No Centro de Dia, presta-se apoio e acompanhamento diurno aos idosos e é-lhes possibilitado ainda conviver com "jovens" da sua idade
As instalações do Centro
Uma das actividades desenvolvida: pintura de peças em gesso
As utentes, na exposição dos trabalhos feitos no Centro
Diversão no Carnaval
Alguma ginástica para "desenferrujar"
As pinturas dos idosos
Algumas das funcionárias


>
Centro de Assistência Paroquial S. Pedro de Alvega
Rua Professor Lopes Raposo
2205-118 Alvega
Telefone: 241 822 447

 
Outros dossiers
Imprimir artigo
Enviar a um amigo
 
Contactos úteis  
Imagens da região  
Roteiro turístico 
Curiosidades 
Meteorologia 
 

© 2002, - alvega.info

O projecto alvega.info

visitas desde Julho 2002

powered by projectografico.comprojectografico.com
Topo da página